20 de outubro de 2020

Não Julgue!

Olá gurias e guris! Tudo bem?

Ufa! Finalmente arrumei um tempinho para vir postar algo aqui no blog.

Estava eu pesquisando curtas-metragens e me deparei com três deles que na minha opinião são ótimos e bem reflexivos. Isso me fez relacioná-los com um evento que presenciei quando ainda estava grávida de minha filha e como o tema central do post é Não Julgue contarei uma historia bem curta que tem tudo haver com isso...


...Quando engravidei da minha filha raramente saia para fazer pagamentos por conta das filas, mas teve um dia que fiz isso. Sai de casa cedo e fui enfrentar a bendita fila, usando a "preferencial", a moça que atendia estava numa morosidade tamanha que chegava a incomodar a todos dessa fila. Uma senhora que estava na minha frente, por sinal bem jovem, começou a falar alto para ver se a tal moça do caixa atendia mais rápido, o que não ocorreu deixando pessoal da fila ainda mais descontente (me incluo nessa, mas evitava me irritar muito para não prejudicar minha bebê). 

A senhora da minha frente mais uma vez começou a reclamar só que num tom mais alto do que o normal foi quando a moça do caixa tirando uma de "gostosa"  fechou a cara e falou a plenos pulmões "ora deixa disso se eu fosse a senhora saía dessa fila, porque jovem do jeito que é está tomando a vez de quem realmente faz jus ao "preferencial".  Até então a senhora não tinha atraído olhares que exigissem saber qual o motivo dela estar naquela fila, sabem como é a curiosidade humana imaginem os olhares estilo raio X na pobre senhora, a ponto de muitos da outra fila cochicharam entre si e até concordarem com a moça do caixa. 

Essa senhora deu um passo para frente e levantou a "perna" da calça e mostrou que uma de suas pernas possuía uma deficiência a qual a prejudicava até de andar, razão para ela fazer jus sim para estar naquela fila independente da idade que tivesse naquela época. O pessoal da outra fila se calou e até emudeceu e a moça do caixa tentou pedir desculpas, mas o estrago estava feito e o gerente foi chamado não sei em que ficou porque fui atendida por outro caixa, mas devido a gravidade da situação é possível que a moça do caixa tenha sido demitida e a loja processada.

Casos como esse que contei acontecem muito, muito mesmo no nosso dia-a-dia criados é claro pelas informações armazenadas e contidas no nosso cérebro, ou seja é algo tão automático que quando notamos já aconteceu o que pode magoar as pessoas que sofrem as ações e por consequência sofreremos a reação dessas pessoas. 

Para evitarmos situações assim em que a moça com certeza se baseou no aspecto da senhora ser jovem demais, não se enquadrando na Lei No 10.741, de 1º de Outubro de 2003*

Devemos antes de mais nada analisar todo o contexto da questão, ouvindo, entendendo a situação ou mesmo buscando informações antes de sairmos emitindo opinião distorcida da realidade(pré-julgamentos errôneos)    

Lembrar que antes de julgarmos devemos nos colocar na pele dos outros e perceber que aquilo que pode nos magoar também poderá magoar o outro e até trazer como consequências efeitos legais que poderão nos tirar o direito até de liberdade. E como diz o ditado "Não Julgue para não ser julgado também", dê a chance dos outros se defenderem.

Visitem o Insta. Official do Blog lá compartilho os links desses curtas-metragens


Lei 10.741/2003 ---> Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Art. 1o É instituído o Estatuto do Idoso, destinado a regular os direitos assegurados às pessoas com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos

Nenhum comentário:

Postar um comentário